O que os idosos estão sentindo? Solidão, medo, insegurança, angústia, abandono? Qual o impacto da pandemia na vida dessas pessoas e como retornar à normalidade no pós-pandemia?

Levar as pessoas a refletirem a respeito desse tema é a finalidade da Campanha “Saúde Mental no Pós-Pandemia – Um Novo Olhar”, que o Hospital Psiquiátrico de Maringá lançou neste mês de novembro em suas redes sociais, site e outros meios.

Além de tratar do tema central, na primeira postagem – esse estado de angústia coletivo – no presente artigo voltamos a atenção ao público da terceira idade.

Afinal, são os idosos os que mais morreram, ficaram doentes e se recolheram em um isolamento que ainda não chegou ao fim.

É PRECISO FALAR SOBRE SOLIDÃO

Conforme apontam especialistas, a solidão na terceira idade já era um problema antes da pandemia, considerando o aumento na taxa de envelhecimento da população brasileira e no número de idosos vivendo em casas de repouso, muitos abandonados pela família.

Agora, no entanto, o problema se agravou, com milhares recolhidos contra sua vontade e sofrendo todos os efeitos desses longos quase dois anos de pandemia.

AUMENTO DO RISCO DE MORTE

Nesse sentido, uma pesquisa da Universidade de Chicago chama a atenção. Os pesquisadores descobriram que o isolamento pode aumentar o risco de morte em 14% nas faixas etárias mais avançadas.

Isso se deve ao fato de que a solidão é capaz de gerar no organismo uma reação de “lutar ou fugir” (fight or flight), que é característica de situações de muito estresse.

De acordo com a pesquisa, esse estresse acaba induzindo respostas inflamatórias que reduzem a produção dos leucócitos, responsáveis por defender o organismo de infecções.

SOLIDÃO E DEPRESSÃO

Outro estudo recente da Universidade de Nova York reforça a preocupação: a solidão e o isolamento social podem aumentar o risco de doenças cardíacas em 29% e o de acidentes vasculares em até 32%.

No caso dos idosos, tanto o aumento da pressão e dos níveis de colesterol quanto a diminuição na capacidade cognitiva e o agravamento de quadros depressivos podem ser potencializados pela sensação de isolamento e solidão.

Diante desse quadro, precisamos falar mais a respeito do assunto, levar a discussão às comunidades, levar as famílias a pensarem melhor em seus idosos e no que efetivamente eles estão sentindo.